pausa pra reflexão...

bem vindo ao meu cantinho...

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Contratualismo... Rosseau que me perdôe a ignorância...mas uma coisa é uma coisa...outra coisa é outra coisa...



“Contrato social (ou contratualismo) indica uma classe abrangente de teorias que tentam explicar os caminhos que levam as pessoas a formar Estados e/ou manter a ordem social. Essa noção de contrato traz implícito que as pessoas abrem mão de certos direitos para um governo ou outra autoridade a fim de obter as vantagens da ordem social. Nesse prisma, o contrato social seria um acordo entre os membros da sociedade, pelo qual reconhecem a autoridade, igualmente sobre todos, de um conjunto de regras, de um regime político ou de um governante.”
 
Sobre a  teoria do contrato social de Rosseau, concluo que o consentimento por concordância coletiva a que um líder, uma autoridade ou governo promova a ordem social através de regras ou regime, pautando-se pra isso na chamada “soberania do povo”,  não concorda com a ideia de “igualdade e liberdade”  já que esta sociedade é na maioria das vezes estratificada, desigual e carente de consciência política , esta última a inteligência dita por Rosseau. 

Ou seja, tais explicações seriam legítimas, se considerasse antes a sociedade organizada e  em um grau de evolução intelectual e politização suficiente para,  aderindo ao contrato, pudesse , exercer sua soberania. 

Infelizmente ainda não é  o nosso caso nem da maioria dos países Republicanos e democráticos da América Latina.

Entendo a boa vontade de isentar o homem,  como ser social,  de tanta falência moral e ética quando "civilizado". Afinal, faz sentido sim o meio influenciar diretamente nas ações de um indivíduo, principalmente se este se sente constrangido a ser o que não é, ou não ser o que gostaria de ser, em função desse meio, das regras impostas  por uma sociedade que foi criada por processo histórico, pouco adaptada ao contexto sempre "atual" do constrangido. 

E este "estado de coisas", que defino como "o meio", considerando o homem de Rosseau, acabam por influenciar o homem a ser mau, ou deixar de ser bom rebelando-se. 

Por outro lado, se você analisar a teoria do bom selvagem, e suas implicações em relação ao contrato social, você verá que esse bom selvagem de Rousseau, deveria muito antes compreender o sentido real da palavra LIBERDADE, para só depois abrir mão dela e se dispor a  submeter-se em nome da "ordem" e da "paz social". 

 E quando se fala em liberdade soberana então, esse contrato consensual, democrático mas não por ditadura da maioria, mas  regido por consenso mútuo e reflexo de muita discussão, é tão complexo, tão subjetivo, que se limita a ser pura utopia. Belo discurso, mas sem qualquer possibilidade de prática, principalmente em países onde a desigualdade social, a injustiça e a  exploração é o carro forte. 

Mas, se deixarmos de lado as implicações da desigualdade social e injustiça em relação ao conceito de liberdade, e considerarmos apenas o homem como ser social, a utopia permanece. Porque não somos imutáveis. Estamos o tempo todo em movimento e o que determina minha liberdade hoje, pode ser uma prisão daqui a alguns anos. E minha vontade consensual para o contrato, pode virar contra mim e ameaçar minha liberdade, fazendo- me  ser mau de novo e posso dizer, por constrangimento. 

Enfim... o contratualismo ( que me perdôe Rosseau com toda sua inteligência e influência na história política e social da humanidade), forneceu mais um argumento com uma retórica impecável  para a atuação implacável de nossos líderes....

Uma breve análise da mentalidade humana, fruto do sistema capitalista...


Analisando a “mentalidade capitalista”, cheguei a algumas conclusões que a meu ver, serão de grande valia pra quem formula seus conceitos baseando-se no que se “ouve” por ai, ou pior, no que se “divulga por aí”... vamos aos fatos:  comecemos por Cuba...talvez o único país com um regime que mais se aproxima da ideologia comunista e que por sua vez é o inimigo número um do regime capitalista...

O capitalismo conseguiu manipular as informações públicas, através do monopólio da mídia,  globalizando-as e para tanto, contando  com a animosidade da minoria que compõe a elite mundial, para difundir a idéia de que todas as mazelas, todas as dificuldades e até a eventual  falta de sabonete, é culpa de Fidel e de seu regime comunista. 

Extremamente compreensivo.  Desde  a implantação do sistema capitalista, com suas idéias ultra-liberais, sua mentalidade individualista e sua política de exploração máxima da natureza e do homem pelo homem, além da chamada “meritocracia” que exclui aqueles que do ponto de vista do capital – são mais fracos, incompetentes, incapazes – o ser humano de modo geral, independente se possui algum tipo de ideologia política ou não... aderiu por conveniência.
Percebe-se que aqueles que criticam o socialismo, o comunismo e qualquer outra ideologia que prioriza o bem estar social em detrimento ao chamado “desenvolvimento”, são exatamente os que se beneficiaram ou se beneficiam com o sistema capitalista. Ou seja, pq vão contra o que lhes proporcionou “bem estar”? “Dane-se o resto do mundo... eu já faço minha parte, não sou mais um miserável...”

É esta a mentalidade. O resto... ou seja, a questão ambiental  (que muitos acreditam ser terrorismo por parte dos ambientalistas e que o planeta não vai tão mal assim), a questão de que a cada minuto 12 crianças morrem de fome no mundo (problema delas, a minha tá nutrida e quem mandou o pai e a mãe não ter competência pra botar filho no mundo?) , a questão da usurpação da soberania de países e povos e ainda, a violação dessa soberania... e por aí vai... é coisa de comunista. E comunista não presta.
Poderia  refletir além das ideologias que contrapõem o capitalismo, mas pra finalizar, concluo que  sendo esta a mentalidade, para mudá-la , é muito complicado. Talvez uma nova era...um novo mundo...um novo planeta...rs

 Minha esperança, aqui pra nós... são os  terremotos, dilúvios, incêndios naturais, maremotos e outras tantas manifestações da natureza que conseguiram de alguma forma, mostrar ao mundo que além da desgraça natural, existem países que foram assolados pela desgraça do capitalismo (no caso do Haiti por exemplo). Pois aqueles amontoados de corpos não se vê no Japão quando ocorrem terremotos... pois lá...têm estrutura anti-terremoto, têm toda uma parafernália capaz de reduzir ao mínimo o número de vítimas. Aí eu penso: pelo menos um japa, um alemão, um norte americano, unzinho sequer, vai ver o capitalismo como uma das causas da dimensão do  desastre...

Só a título de informação... sobre o Comunismo em Cuba: 

Logo após a revolução cubana,  formulou-se  a lei da Reforma agrária, concedendo terras a milhares de cubanos famintos e miseráveis. Che Guevara ( este mesmo que muitos odeiam e nem sequer sabem porquê, mas ouvem os outros falarem e repetem como papagaios ) como ministro das indústrias de Cuba, tentou de todas as  formas, desenvolver a industrialização em Cuba e obteve relativo progresso, quando estatizou empresas estrangeiras. Na área social, com  projetos socialistas melhorou gradativamente a condição de vida dos cubanos.  Porém, sofreu inúmeros boicotes por parte dos países europeus, por conta do embargo. Até mesmo os maquinários que recebeu para criar indústria automobilística por exemplo,era de péssima qualidade e rapidamente virou lixo.  Che ia para o campo cortar cana, ia para as indústrias trabalhar lado a lado com os cubanos, nunca se sentou em uma mesa em um escritório riquíssimo, mesmo sendo nomeado presidente do banco central. Conseguiu vários avanços, negociando o açúcar cubano com a URSS  (único país que não participava do embargo por ser inimigo dos EUA).
Mas ... com a tentativa dos EUA de invadir novamente a ilha, sem sucesso, acirraram o embargo e isso sim, afetou definitivamente o desenvolvimento de Cuba como Estado socialista.

Aí pergunto: será que a eventual falta de sabonete é mesmo culpa do regime comunista??

Pra refletir...


  

CHE...comunista!!!!!! mas e o partido era COMUNISTA???


Eu tenho minha concepção sobre a morte de Che Guevara.

Eu sei que muitos historiadores, não concordam ou consideram esta hipótese.  Mas baseando-me nas biografias, nos livros, enfim, em todo o material ao qual tive acesso ( por pura paixão antes de qualquer valor didático), cheguei à conclusão, que Che era muito mais comunista que o próprio partido. Aliás, o Partido na minha concepção, está longe de ser comunista. 

Mas pra esclarecimento, não acredito que  ele tenha sido traído  antes de se desiludir com o partido... antes, minha lógica é inversa...

Na minha concepção ( e como eu disse e repito, no meu entendimento baseado em tudo o que li até hoje, inclusive do ponto de vista do partido comunista) eu acredito que CHE primeiro se desiludiu com o partido...e depois sim...foi traído...ou seja... a ordem dos fatores neste caso, altera o produto...

Quando eu digo que o partido traiu CHE Guevara, eu me refiro antes de mais nada, à ideologia comunista, aquela mesma que conquistou CHE e o fez um perseguidor da justiça e da igualdade, através da REVOLUÇÃO. 

Quando a revolução Cubana se consolidou, o movimento de esquerda na América Latina tinha por OBRIGAÇÃO dar continuidade à libertação de nações oprimidas pelo mesmo imperialismo que dominava Cuba. E digo isto, pq isto , além de ser doutrina do partido, é premissa da ideologia comunista, ou estou enganada? Che deixou claro , lutando ao lado dos cubanos sendo ele argentino, que a revolução a qual aspirava, não tinha fronteiras. E Fidel inicialmente, se colocou ao lado dele...assim como  o Partido Comunista. Mas o abandonaram, e digo isto com toda a certeza do mundo, o abandonaram justificando para tanto, precipitação, como se o tempo de opressão não significasse tanto sofrimento para um povo a mercê da exploração e dominação imperialista!!!   

O que estava acontecendo com a Argentina? E a Bolívia? E os outros países dominados por nações imperialistas? 

E aí chego no Partido Comunista da Bolívia, deixando pra trás a URSS que já havia manifestado interesse em “calar a boca do comunista Guevara” e até mesmo Fidel, que já estava encrencado demais com os EUA pra pensar em Bolívia... o Partido comunista  já estava de aliança com a burguesia Nacional...e morria de medo dos trotkistas, outra vertente de esquerda, muito mais radical e que possuía (em detrimento aos comunistas) maior influência no meio rural. E pergunto, por quê?

Pergunto mais: Por quê o Partido Comunista da Bolívia assinou um documento concordando com a revolução armada se não havia interesse algum nela? Já estavam casados com a burguesia, não precisavam mais se comprometer com luta armada pra agradar aos “comunistas radicais” como Che Guevara! Já estavam articulados “politicamente”, tanto que as eleições mostraram isso...mas se calaram...deixaram o boi ir pro matadouro, sabendo exatamente o que aconteceria com Che... pois tinham toda a visão política e principalmente, sabiam da situação do campesinato boliviano. Aí, os membros do partido comunista alegam: mas o partido nem sabia que Che estava na Bolívia!!! E eu pergunto: quem acreditaria nisso?????

Pergunto mais: por que deixaram o campesinato ignorar Che Guevara, por que incitaram os membros do partido comunista a não aderir à causa, alegando “nacionalismo” o que aliás, além de ser contra a ideologia comunista, é contra o bolivarismo pregado anos antes tendo como berço a Venezuela. Por quê  fizeram de tudo pra detonar o cara,  sabendo o Partido que tratava-se de um camarada, lutando por um ideal COMUNISTA, através de uma revolução armada, que o próprio partido aprovou oficialmente meses antes? 

Por que, após a morte de Che Guevara, o mesmo partido comunista que o considerou precipitado, ingênuo e até mesmo burro... utilizou de sua morte pra se promover?
Mas muitos historiadores, crêem que foi o Partido comunista quem promoveu Che Guevara! Engano!!!!  Foi antes Che Guevara, quem  promoveu o Partido Comunista, dada a dimensão de sua morte. 

Hoje, vejo uma América Latina completamente diferente da proposta por Che Guevara. Uma América Latina fruto do descompromisso do partido comunista com a própria ideologia .

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Roberto Jefferson e Delúbio - no mínimo dúbio!!!


Essa semana Roberto Jefferson, presidente do PTB, concedeu uma entrevista interessante ao IG, sobre a questão da volta ou não do Delúbio, ex tesoureiro do PT à militância no partido.
Segundo Roberto, ele nem deveria ter saído do partido. Foi “injustiçado”,  se transformou no “cristo” do PT. 

Aí fico pensando...como a política no Brasil é extremamente libertina, cheia de demagogia, mentiras e como os políticos se transformam com suas vestes camaleônicas (se é que existe esta palavra), apostando na memória curta ou até mesmo na falta de consciência política e ignorância do povo.  

Esse indivíduo, o Roberto, jogou a “farinha”, pra não dizer outra coisa, no ventilador do PT com suas denúncias de mensalões ,  acordos “valerianos”, esquemas e mais esquemas de compra de voto de parlamentares pelo PT, enfim, criou uma situação pra lá de homérica...onde personagens com dólares nas cuecas e gorda$$ maleta$$ povoaram o cenário político , ao mesmo tempo em que davam munições de sobra à oposição no sentido de se engrandecer moralmente às custas da imoralidade da “situação”. Mas nesse caso, por ter telhado de vidro, acabaram se metendo no meio do ...digamos...bolo...e ficaram tão sujos quanto seus “oponentes”.

Mas voltando ao Delúbio, vasculhando na net suas declarações que na época me causaram até comoção , já que falava com tanta ênfase e alegava uma moralidade do partido que quase chegou a me convencer,  me lembrei que o indivíduo, no fim das contas e totalmente acuado, assumiu a responsabilidade por empréstimos valerianos, por valores não declarados à justiça eleitoral e se “entregou” ao sacrifício. 

Agora, prestes a serem julgados os que por algum motivo não saíram ilesos dessa presepada toda, me aparece o mentor da  “carnificina” em defesa do acusado...que aliás, fora acusado por ele mesmo.

Interessante. É como se o réu fosse defendido pelo denunciante que participara do crime mas pra tentar se livrar contou quem fazia parte da quadrilha e hoje, num senso quase de “justiça” quer livrar a cara do colega.  Grita aos quatro cantos: “ele foi injustiçado”.
Não entrarei no mérito da questão, mesmo porque esta história do mensalão já´rendeu o que tinha que render...e o PT sobreviveu a tudo isso e muito bem, diga-se de passagem, pois, já está no seu terceiro (coisa inédita) mandato. 

Mas fico revoltada quando vejo personagens que atuam o tempo todo em um cenário imoral, da forma que lhes convém... e em momento algum, com algum senso moral que o leve a agir por justiça, mas muito pelo contrário, sempre por interesses pessoais, gozam nossa ou na nossa cara, com uma cara de pau, que tá mais pra “madeirite resinada”... e ainda posam de “personalidade política”...afffff

Pergunto: Por que Roberto Jefferson defende Delúbio? Pelo que sei, ele apoiou o Serra pra presidente,  FHC foi sua testemunha em processos sobre o mensalão.  
Bom, daí conclui-se que tanto Jefferson, além de safado, é dúbio... novidade alguma... já que dúbio é característica primordial pra se tornar um político brasileiro...

Consciência política gente... NÃO REELEJA NINGUÉM... talvez seja essa a saída...

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

De onde vieram tantos "ismos"???


Estava analisando outro dia a origem dos “ismos” no que se refere ao sistema capitalista. E fiz uma espécie de resumo, sintetizando ao máximo pra conseguir chegar ao famoso ”individualismo” e claro, em conformidade com todos os seus sentidos, desde filosófico  , político, social e  claro...inerente à nossa condição de seres humanos. 


Então, conclui que tanto a revolução francesa e as duas revoluções industriais, são frutos de revoluções do pensamento, que remontam ao RENASCIMENTO, que por sua vez pode ser considerado o início da transição do feudalismo para o capitalismo, pois as transformações políticas, econômicas e sociais prezavam a redescoberta do homem e do mundo...em detrimento ao período medieval Teocêntrico.

Portanto, o INDIVIDUALISMO, O HUMANISMO, O HEDONISMO, RACIONALISMO, e outros  “ismos”, que agora não estou me lembrando, tiveram  início no RENASCIMENTO...que por sua vez é uma filosofia intermediária entre o TEOCENTRISMO e  ILUMINISMO... ou seja, pode ser visto como o berço para o ILUMINISMO...

Conclui-se então que o Iluminismo é pai do individualismo??!!!


O que dizer então? Antes da ilustração, não conhecíamos o individualismo? Vivíamos o coletivismo? Não tínhamos idéia de nossa condição de indivíduo? Não aspirávamos por algo que contemplasse nossa individualidade em primeiro lugar?
Não foi bem assim. Todas as ações humanas em todas as esferas, sejam elas políticas, econômicas, sociais e a qualquer tempo (***tripartido ou não) ... foram baseadas em idéias individualistas, que contemplavam acima de tudo o poder individual da classe (individualista!!) que a promovia. A diferença é que não promoviam por si só...contavam com as ações coletivas pra obterem êxito.
Estou falando por exemplo, de revoluções que marcaram a história de povos inteiros, influenciaram a política , a economia e a sociedade de países, povos e nações inteiras, por um período razoável em nossa escala do tempo e que por sua vez, perpetuaram o individualismo como fonte única para justificar seus objetivos , suas aspirações, suas expectativas e ações neste mundo.  

Daí, cheguei à triste conclusão que sempre fomos individualistas. Independente do tempo, das ações... dos objetivos...

Não to doida...só to refletindo um pouquinho...rs


***Tripartido - me refiro ao tempo dividido em três, conforme a historiografia tradicional : Medieval, moderno e contemporâneo.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Racismo, preconceito, discriminação...e o Professor de História...

Eu fico impressionada como ainda existem historiadores capazes de justificarem  a escravidão pautando-se na tal lei onde “o mais forte domina o mais fraco”...
Eu digo historiadores, porque quem não é historiador, ou graduado em história, ainda consigo (sem muita paciência ) compreender sua ignorância, já que se a pessoa não se dispõe a estudar especificamente a História da humanidade, não tem a obrigação de saber ou analisar  suas implicações.
Mas vamos aos fatos: é comum utilizarem argumentos como este, onde a dominação de um povo ou civilização sobre outra é justificada por sua digamos “força estratégica”, “capacidade”, “organização política”, “tecnologia”...etc...etc... Daí surgem os dominados neste cenário, no qual, se transformam em “produto” de ganho dos dominadores. E alguns colegas historiadores justificam o domínio bem como todas as suas implicações morais, religiosas, econômicas, sociais ...  legando o ônus do sofrimento dos primeiros ao  efeito da causa – e não o contrário.

Como justificar a invasão, a deploração, a coerção e tantas outras atrocidades cometidas por uma civilização em relação a outra, simplesmente por atributos subjetivos, já que a força e a capacidade não podem jamais serem julgadas do ponto de vista objetivo, pois  a   heterogeneidade humana é tão latente que a comparação perde o valor, seja ela em que sentido for!!!!!

Pessoas que deveriam estar lutando contra este tipo de conceito,  que gera preconceito, racismo e discriminação, insistem com sua pseudo-intelectualidade  a perpetuar este tipo de pensamento... 

Fico triste, quase desanimada quando me deparo com este tipo de conceito por parte de colegas. Mas é a vida...”assim caminha a humanidade”... não posso desistir nem tão pouco pensar em retroceder... Lutar contra este tipo de mentalidade é o papel do professor de História... afinal, conteúdos são conteúdos...a compreensão e análise crítica destes é que o transformam em instrumentos de manipulação ou conscientização ... e eu ...escolhi a segunda opção!

sábado, 15 de janeiro de 2011

mais de 700 mortos!!!!


É... eu poderia comentar sobre o efeito estufa, sobre a falta de prevenção contra acidentes naturais nas cidades inundadas do Rio, São Paulo e Minas...poderia falar da omissão dos governantes locais em relação à investimentos na área de prevenção...enfim...poderia falar mais do mesmo. Mas tô cansada de ler sobre isso e de comentar sobre isso também. 

Vejo a comoção das pessoas em relação a situação caótica em que se encontram as vítimas da tragédia... vejo os mutirões de solidariedade nas grandes cidades, enviando roupas, comida, água àqueles que encontram-se sem “chão”, propriamente dito. 

E analisando tudo isso, como expectadora, já que não estou participando de nenhum destes mutirões, tão pouco me ofereci como voluntária para organizá-los (por motivos que não vêm ao caso), compreendo a ótica do ser humano em relação ao mundo, ao outro e à eles mesmos, no que diz respeito à sobrevivência neste planeta...

Todos nós, no fundo... esperamos por isso, por tragédias como esta,  por este fim desde o dia em que nascemos. E à medida em que  crescemos, vamos entendendo como é que funcionam as estruturas tanto políticas, econômicas e sociais...dentro do nosso espaço. Mesmo aqueles que são considerados “ignorantes”, “incultos”, “alienados”... todos, absolutamente todos nós, desde a criança ao idoso, sabemos como funcionam estas estruturas. Maldizemos a injustiça, a falta de recursos aos mais necessitados, a abastança de pessoas que não se preocupam com quem está na base ou à margem da pirâmide social... maldizemos os governantes, reconhecemos o individualismo , a exploração, a concorrência desleal, a ganância e tudo de ruim que este sistema nos oferece... Muitos de nós nos revoltamos (mesmo que não tenhamos reações ou que façamos parte de alguma rebelião),  estamos sempre com aquele “senso comum” de justiça em relação à injustiça no mundo. 

Mas, em uma situação como esta que está ocorrendo no Brasil, aprendemos algo ainda mais valioso com a vida. Aprendemos determinadas tragédias, não escolhem classe social, cor, estilo de vida, situação econômica...

Eu vejo nesta tragédia o sentido maior de igualdade e democracia. 

Falar em democracia em um momento como este, dá uma conotação de ironia, ou até mesmo inconveniência...mas não posso deixar passar de liso uma situação tão original que fundamenta acima de todos os regimes, sistemas, ideologias... esta palavrinha tão citada, tão aclamada, tão idolatrada ou por outro lado, tão preterida e amaldiçoada por  tantos em todo o mundo... 

A tragédia é o sinônimo mais original da democracia. E é neste momento em que o pobre, o rico,  o preto, o branco, o amarelo, o azul...enfim... todos os seres humanos com um resquício de sanidade, entendem que tudo,absolutamente tudo no mundo... é nada. E que diante da morte, da tragédia, do caos... não há como não se enxergar pequeno, miúdo... insignificante... caem as máscaras e a consternação maior não é nem pelas vítimas, pelas mortes ou pela situação dos semelhantes... a consternação maior é de que entendemos finalmente que somos todos iguais...

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Batistti... ser ou não ser companheiro de Dilma... esta é a questão...

A não extradição do ex-revolucionário Batistti poderia ser considerado um ato de apoio à presidenta Dilma Roussef. Digo isso sem medo de estar cometendo qualquer exagero em minha análise digamos...crítica...
É óbvio que às vésperas da posse da "ex-terrorista" , "odiada" pela direita brasileira, tão criticada e condenada por seus atos durante o regime militar, o que aliás foi largamente usado como argumento para denegrir sua imagem junto ao eleitorado brasileiro – o então ainda  presidente Lula,  jamais permitiria que deportassem um “companheiro de luta” de sua candidata vencedora.
E esta questão já virou novela nas mãos da direita e da “esquerda” brasileira. Aliás, tudo aqui vira novela, circo, briga de mariinhas, choque de gangues... e tudo o mais que nem vale a pena comentar. Mas, a cena que mais me horrorizou esta semana, desta novela sem fim, foi o fato de que o  DEM agora resolveu contestar juridicamente a decisão do presidente, alegando ter este agido inconstitucionalmente, dando abrigo a um “terrorista” em nome de uma soberania que segundo o DEM, nosso país não goza.
De todo este cenário de mini série global, de sexta feira chuvosa, o que fica é a questão: O QUE o DEM tem haver com isso?
Acredito que a decisão do Lula foi relativamente acertada. Não foi absolutamente porque com certeza, se ele permitisse a extradição do Batistti, logo logo a direita iria questionar sua contradição em considerar crime os atos políticos de um ex-revolucionário italiano e não considerar crime os atos políticos de nossa ex-revolucionária...agora presidente do País e em contrapartida, não o fazendo, está criando uma certa animosidade com um país historicamente instável em relação a política interna e externa. Mas vamos ver no que vai dar esta novela “global” onde a direita, que se comprometeu a se opor com responsabilidade, já está colocando suas manguinhas de fora, armando seus já conhecidos barracos...

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O legado da política educacional implantada por Governantes no Brasil.


Desde o Brasil Colônia, a política educacional foi negligenciada e até mesmo excluída dos planos de governo no país.

Na realidade,  o descaso que hoje todos podemos observar, não é fruto de um governo isolado, ou da negligência de algum governo anterior...e sim a conseqüência da negligência total de todos os governantes que por aqui passaram, seja do período colonial, imperial, republicano, ditador ou liberal.

Não há um “cristo” a se crucificar, mas sim toda uma história de decisões, direções e políticas educacionais implantadas muitas das vezes como paliativos, ou na maioria destas vezes,  para atender a demanda seletiva de uma sociedade oligárquica, elitista, excludente e autoritária.

O Brasil é hoje o nono país com maior índice de analfabetismo na América Latina. Além disso, a qualidade do ensino é reconhecidamente inferior  ao que deveria ser utilizando-se como base os países desenvolvidos.

Isto se deve às formas de implementação de políticas educacionais e, principalmente, ao objetivo destas políticas, que sempre atenderam a uma minoria, excluindo da escola os afro descendentes, os indígenas  e por tabela, os pobres ( em sua maioria compostos por estas duas etnias ).

Mas, acredito que com a democratização da gestão escolar, a Educação no Brasil poderá dar um salto em relação ao desenvolvimento de políticas voltadas à qualidade de ensino. Isto pq envolve tanto um lado da moeda (os políticos que fazem, regem e direcionam as leis) quanto a comunidade que tem o poder do voto e influência nas decisões que serão tomadas.

O que cabe agora, tanto ao corpo docente, quanto a comunidade de forma geral -  e o indivíduo ativo que a constitui e que é parte  mais interessada pois é  o principal agente de transformações para si e para a sociedade – lutar pela concretização de tais projetos, ao mesmo tempo que implementá-lo, adaptando-o de acordo com a realidade ao qual  se está inserido.



Floresta Amazônica - pulmão quase que "canceroso" do mundo...


                    A privatização da Floresta Amazônica é uma espécie de formalização da  invasão.
A Amazônia vem sendo invadida, privatizada desde o início da colonização, com a chegada dos portugueses e espanhóis. Óbvio que em proporções muito menores no início, mas que ao longo dos anos, com a diversificação dos interesses na área, hoje é quase que humanamente impossível determinar se ainda há algum local na Amazônia que não tenha já um “dono”.

A invasão não só de grileiros, mas também  de ONGS internacionais,  as quais em sua maioria, não estão ali para cumprir o objetivo a que foram criadas... bem como  coronéis que comandam municípios inteiros com a conivência dos governantes  e “doam” terras públicas em troca de apoio político e até a própria FUNAI que deveria garantir a segurança de índios e ribeirinhos mas tá sempre fazendo vista grossa às grilagens e etc...

                  Mas pior de tudo ainda é o gado. O gado representa a maioria do desmatamento da Amazônia.
Aí vc pergunta: quem é o dono do gado?
                  Bom, aí entra o sistema.

                 Como lutar contra a destruição da floresta dentro de um sistema que visa o tempo todo acumulação de capitais, mesmo que pra isso, tenha que colocar em perigo a própria existência da humanidade?

                Pois se é justamente quando a economia vai relativamente equilibrada, aumenta-se o desmatamento. Quando há recessão, diminui-se o desmatamento.

                  Como então acreditarmos que dentro deste sistema, o capitalismo, a Amazônia conseguiria sobreviver sem que fosse esquartejada?

                   De todo o mundo, o Brasil é o único país com área expressiva de floresta e com biodiversidade superior a qualquer outra área do planeta.

                  Os olhos do mundo estão sobre a Amazônia. E o mundo é capitalista selvagem. Então, é uma pena, mas ... a Amazônia não é nem nunca foi “pulmão” do mundo. A Amazônia é sim, a mina de ouro, a redescoberta das Américas
             
                   A luta não é contra o grileiro, contra o coronel, contra o Sarney, contra o lula... a luta é contra o sistema. Pq o que seriam destas figuras, se o sistema não os mantivesse na posição em que estão?

                  O conteúdo da MP458, formaliza não só a posse da terra de quem já está lá (sejam grileiros, famílias em assentamentos, coronéis do gado, bem como suas conseqüências  ou seja:  o desmatamento, a queima, a utilização da riqueza natural sem sustentabilidade alguma... e outras mazelas que conhecemos de cabo a rabo.

                  O problema maior dessa MP ser vista como RETROCESSO, é que o grau de conscientização de quem avalia desta forma, está aquém do que deveria. Afinal, retrocesso significa recuar.  Voltar ao estado original.

                   Aí eu pergunto: qual a situação  "original"  da Amazônia para considerar a MP um retrocesso?

                   Em nenhum governo, ouviu-se falar da constituição de um Órgão gestor do meio Ambiente.

                   Pela primeira vez, com a criação deste órgão,  e a gestão de Marina da Silva, a Amazônia após décadas, experimentou por quase seis anos, um alívio no desmatamento. Mas como eu disse anteriormente, a luta não é contra quem mete fogo, mas sim contra o sistema...  até ela se desenganou e pulou fora do barco, ao perceber que , não há possibilidade de implantar medidas de cunho coercivo após décadas de posse indiscriminada da área florestal da Amazônia. E pq? Pq quem comanda o desmatamento, quem comanda a Amazônia, comanda também o congresso inteiro.

                            Um exemplo são as terras indígenas:

                            Elas  representam acho que 12% de toda a região do país. A maioria se concentra exatamente na Amazônia. Esse percentual de terra, está relativamente salvo.
                            Mas ainda assim, enfrenta os ânimos de até mesmo (pasmem) , dos que  hoje chamam  a MP458 de legalização da grilagem.

                             Mas como assim? Memória curta, vamos relembrar: Raposa Serra do Sol. 1,7 milhões de hectares destinados à reserva indígena. Foi determinado pelo governo Federal de FHC há mais ou menos 10 anos (creio eu, num tô muito certa disso, depois eu pesquiso pra dar certeza do período),  a fatiação contínua desta área e a formalização como área indígena, ou seja, uso único e exclusivo dos indígenas. Mas aí, vários setores do Estado, e até a comunidade local, promoveram protestos, manifestações e barraram a homologação.  Ou seja, o Governo tentou, e olha que não o era o Lula, pra acharem que to puxando sardinha, mas não conseguiu a tal homologação, pelas ações de empresas arrozeiras (responsáveis pelo PIB do Estado e municípios inteiros instalados no interior da mata.).

                            Vale ressaltar que os índios da reserva Raposa Serra do Sol, são considerados isolados, protegidos pelo Estatuto de índio para que o homem “branco” não imponha sua integração à comunidade nacional. Ou seja, são primitivos... amantes da natureza. Mas me lembro bem, de vários setores da sociedade acusando os índios de assassinos, por terem matado garimpeiros que haviam invadido sua reserva e achavam um absurdo (de uma só voz) darem tanta terra pra tão pouco índio. Bom... é o sistema. Lula, acho que em 2005 ou 2006 chegou a homologar esta fatiação, e os “brancos” tiveram que deixar a área.

                             Mas ainda existem causas inúmeras contra a homologação, já que nosso judiciário nunca bate o martelo definitivamente em relação ao assunto.  E pergunto: será pq???

                             Hoje se luta pela não privatização da Amazônia, mas ontem e a qualquer momento, chamam os índios de assassinos por defenderem a Amazônia.

                             Voltando a questão da privatização, é neste mérito que quero chegar.
                             Qualquer ação do governo em relação àquela área, não vai mudar o curso da história, a não ser que, radicalmente, um líder do estilo Fidel ou Chavez,  resolva NACIONALIZAR a Amazônia  e entregá-la nas mãos dos índios. Mas não os índios com doença mental de branco, mas os índios isolados, os primitivos. E se isso acontecer, os mesmos que hoje gritam aos quatro cantos contra a MP458, vão gritar contra a nacionalização. Pq os interesses que movem os defensores da Amazônia, não estão restritos a cunho social, nem tão pouco ambiental. E muito menos regional.  A Amazônia , como diz o slogan dos EUA – “é patrimônio da humanidade” , eu reeditaria: “a Amazônia do Brasil, é patrimônio do capitalismo”.

                            Bom... resumindo, pra não cansar os zoim de quem tá lendo: a MP458  (ainda não se sabe ao certo todo o seu conteúdo) mas pelo menos três que podem ser barrados pelo Governo – o que legaliza as terras de pessoas jurídicas e permite a exploração máxima – e outros que os próprios ambientalistas apontam como o pivor da manifestação contra – nada mais é que a formalização da invasão. Era invadida ilegalmente, explorada ilegalmente, desmatada ilegalmente e agora, conta com a legalidade do Governo, o que torna mais fácil a instituição de multas bilionárias e a manutenção do cofre $$$$$, além de não ferir o princípio máximo do sistema que é a acumulação de capitais.

                             Alguém aqui se habilita em pleno século XXI a lutar contra?

Eu ??? só se for na sala de aula. Ainda tenho esperanças de um futuro melhor. E só mesmo renovando por completo a mente, a consciência  e promovendo assim, o comprometimento de todos os cidadãos pensantes com a possibilidade de se viver no planeta terra sem ter que destruí-lo. Mas aí, uma andorinha só não faz verão.

EDUCAR ... a dura missão dos ...valentes!!



Educar tem um sentido muito amplo, múltiplo, subjetivo e objetivo. Educar significa muito mais que ensinar algo ou transmitir conhecimento. Sendo assim, fica impossível determinar o sentido de qualquer prática, principalmente a prática docente. 

A personalidade, o caráter humano sendo subjetivo, formam-se continuamente, mesmo sendo de um mestre. Ou seja, por mais que aprendamos , jamais chegaremos ao topo do conhecimento, haverá sempre algo a conhecer, a buscar, a investigar e isto – esta necessidade de aprender, sendo professor, é imprescindível.
Creio que os analistas e especialistas em educação  hoje, apesar dos projetos estarem  ainda em um nível bem aquém do que deveria e do que realmente necessitamos, estão conseguindo compreender a verdadeira missão que lhe compete, ao questionar as diferenças  e  principalmente, atribuindo-lhes o sentido verdadeiro e não o sentido de desigualdade que era muito utilizado para justificar os péssimos resultados que ao longo dos anos, apresentou a educação no Brasil por exemplo.  

O papel do professor não está limitado à sala de aula, ou ao conteúdo ou até mesmo aos projetos bem intencionados.  Seu papel está em liderar uma busca de conhecimentos. Penso que apesar de estar bem à frente em relação a conteúdos, o professor é tão aprendiz quanto o aluno no que diz respeito a dimensão dos movimentos e amplitude das reações e relações conseqüentes de  um determinado conhecimento o qual atinge e influencia  direta ou indiretamente na vida de todos, seja ele professor, aluno, porteiro...
Não há uma linha imaginária que o separe do aluno. Ali em sala de aula, no máximo é um líder que deve fomentar toda a criatividade possível, utilizando todos os recursos cabíveis e ainda,  incentivar o questionamento e a busca por novas possibilidades, levando cada um, com suas peculiaridades ( todas elas ) a enxergar o que até então não se via por falta de direcionamento. É como se fosse um navegador...porém sem um mapa pronto, guiado por seus conhecimentos e instintos,  por suas habilidades e é claro , por sua dedicação e amor à profissão.  

11 de Setembro - um reino "contra" si mesmo???


Especulações, conjecturas   sobre atentados contra os EUA permeiam a mente e a imaginação de muitos.
A possibilidade destes atentados, terem sido promovidos pela própria potência  como justificativa pra invadir outros países ,  não é recente. Desde o encouraçado Maine em Havana que levou o país a declarar guerra à Espanha em “favor de Cuba” (que aliás depois disso  EUA passou a dominar completamente a ilha) até o ataque de Pearl Harbor pela força Japonesa, o mundo tem experimentado uma arbitrariedade enorme em relação a esta grande potência, no que diz respeito a invasão de território, imposição e domínio de povos inteiros. 

Em relação ao 11 de setembro, o que fica é o contexto do pós ataque. O nacionalismo extremado tomou conta das grandes potências, inclusive Européias, as quais nos últimos anos,  gradativamente vêm sido forçadas a  “ceder” alguns espaços a países em desenvolvimento, como o Brasil por exemplo.
Já  em relação aos EUA, “legalizou” o unilateralismo, o protecionismo, as estratégias de invasões de países produtores de petróleo, a exploração do meio ambiente (vide protocolo de Quioto) e outras tantas ações imperialistas já conhecidas por esta super potência. 

Agora, quanto ao  fato destes atentados serem  ou não uma ação dos EUA contra si mesmo, aí já é pra investigação... as especulações ficam baseados em nossos conhecimentos históricos sobre as ações do imperialismo.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

tratamento diferente aos que foram tratados com "indiferença" pela sociedade...

Após a abolição, aquele que outrora representava o sustento da economia da nação, passa a representar o entrave, a corrupção, o perigo à sociedade branca e capaz. 

Os argumentos para que o trabalho escravo e agora, o ex-escravo,  fosse substituído pelo trabalho imigrante e europeu, basearam-se exatamente neste paradoxo. Pois , para a elite brasileira, a convivência com trabalhadores europeus, de certa forma, poderia capacitar o trabalhador nacional à demanda de serviços especializados e, gradativamente, os retiraria do  “ócio” , da “preguiça” que para eles, era característica dos ex-escravos (pois após a abolição, os escravos passaram a resistir a trabalhos que lhe retirassem novamente a liberdade e o prazer, tendo sido por isso taxados de preguiçosos pela sociedade branca )

.  Percebe-se que em todas as situações, seja durante a escravidão ou após a abolição, a condição de negro, reduzia e desqualificava qualquer tipo de trabalho, norteado pelo conceito a este  atribuído pela classe dominante .  A “invasão” de imigrantes  mesmo existindo mão de obra nacional em número suficiente para dar continuidade à produção e desenvolvimento da nação,  é o reflexo destas idéias, alem é claro, da pretensão de branquear a nação. 

Concluindo, esta é a grande falácia que pretendeu e ainda pretende justificar a exclusão do negro na sociedade brasileira em todos os aspectos, seja ele moral, cívico, cultural, intelectual, profissional...
 O sistema de cotas nas universidades por exemplo, é um mecanismo de inclusão de uma raça que foi preterida durante mais de 3 séculos e que no entanto, representa praticamente o embrião da cultura no que diz respeito às artes, música, danças e alimentação do nosso país. Porém, é vista como “privilégio dos negros” em detrimento aos brancos, num raciocínio equívoco de “desigualdade”, sem considerar que hoje, o tratamento diferente deve ser  sim, direcionado àqueles que foram os “diferentes  ou marginalizados ” dentro  da sociedade brasileira.  



o que é "Revolução"?


Num paradoxo de significados, revolução além  de representar a marcha circular e invariável de corpos celestes no espaço ,  passa também a determinar o movimento das transformações, das reformas, das perturbações  “morais” e indignações de corpos agora humanos, numa tentativa radical de alcançar a libertação do corpo, alma e espírito.
O período chamado de “a era das revoluções” que compreende a Revolução inglesa , francesa, industrial – é o reflexo da manifestação pela  busca da identidade humana e individual, bem como o progresso  e o destino da humanidade, temas proibidos e subtraídos durante vários séculos  em função do domínio  religioso da Idade Média.
Durante o período medieval, a religião suplantou a  existência da filosofia, arte e política da antiguidade, criando uma atmosfera de domínio total em relação ao homem e sua existência na terra.  Porém, as manifestações da consciência racional, onde o ser apesar do jugo deseja algo além do que o que lhe é permitido, proporcionou  o surgimento de movimentos renascentistas e iluministas, ambos de cunho liberal, racional e humanista.
Mas o interessante é que estes movimentos  apesar de expressar a busca pela liberdade e melhores condições humanas de sobrevivência, não tiveram representação simbólica e considerável no meio em que estes fatores são imprescindíveis, e sim, na nova classe média que surgia materialista, mecanicista, utilitária, burguesa. Movimentos como o Renascimento italiano, o Iluminismo Francês foram movimentos de caráter elitista - percebe-se pela influência destes movimentos aqui nas Américas, os ideais de liberdade condicionada  a uma determinada camada da população, refletidos em ideais  libertários que excluíram ou fizeram ascepção à negros e índios.
NO caso Europeu, a influência direta gerou o monopólio da arte em todos os seus aspectos, legando o privilégio da apreciação de obras fantásticas a uma camada ínfima e detentora de algum tipo de poder, seja ele religioso ou econômico.  No caso do Iluminismo, três filósofos representantes – Voltaire, Montesquieu e Rousseau – cada qual defendendo suas teses anti-absolutistas, convergiam todos ao Liberalismo, seja ele republicano ou monárquico, mas liberal – ou seja, a burguesia estaria em quaisquer das hipóteses, garantida.

Expansão marítima e comercial, o Renascimento na Itália, a Reforma Religiosa, o Iluminismo na França, todos tiveram sua origem na contestação a uma ordem que limitava os poderes da burguesia,  que em ascenção e a meu ver muito  bem articulada, conseguiu unir em discursos e idéias a demanda real de melhoria nas condições de sobrevivência das classes inferiores , à oportuna e nada menos “necessária” consolidação do poder econômico e político com o objetivo do progresso e evolução da humanidade – ou seja – o sistema capitalista.
E o mais impressionante de tudo, é que após séculos desta empreitada, os discursos não mudaram...e a classe burguesa (hoje muito mais econômica e política que nunca ) aumenta continuamente seu poder em detrimento da classe servil, numa harmonia assustadoramente passiva, onde até mesmo as revoluções tornaram-se coisas do passado, sendo estereotipadas em nome do tal desenvolvimento e agora tão aclamada globalização.
O fato é que,  tais  revoluções trouxeram transformações inegáveis... mudaram mentalidades, redescobriram a arte, as ciências, a filosofia... só não conseguiram abrir mão do monopólio dos objetivos revolucionários, pois por mais transformações que ocorram,pouco  muda em relação aos da base e apenas uma determinada classe é no final, privilegiada. Os da base, no máximo, conseguem alguma mobilidade social, às custas de muito trabalho, exploração e resignação . 


O "amanhecer" Republicano no Brasil...


                Se pararmos pAra pensar e analisar os movimentos da América Latina em relação a oposição seja à metrópole durante o período colonial, seja à sistema de governo monarquista no contexto da república  e até mesmo, posterizando bastante, em relação à democracia x ditadura na década de 80, os objetivos jamais corresponderam à essência dos discursos ou a efetiva participação dos que seriam os principais interessados – a massa.

Digo isto, porque o povo, em praticamente todos os movimentos, foram utilizados como instrumentos para justificar as idéias e as ações, mais no que diz respeito a instituição destas idéias, ele é preterido em função de minorias que na realidade dominam completamente o cenário político, social e econômico e exatamente por isso, conseguem manipular a mentalidade das massas em favor de seus ideais aparentemente “de igualdade, justiça e soberania”.

           Lembrando que a situação social no país em relação a massa (analfabetismo e pobreza), durante a Monarquia, contrastava com o prestígio internacional e com a grande influência que o país possuía na América Latina... como uma espécie de máscara de   aparente desenvolvimento e fortalecimento, mas ambos garantidos pela troca de favores com a elite agrária.

                        No contexto que precedeu a República, os movimentos pró republicanos, mesmo se incluíssem o abolicionismo por exemplo na pauta, limitava os benefícios de uma República à minoria... ou seja, eram movimentos elitistas...

             Isso também  explica a não participação do povo na efetivação da República. Esta elite, os progressistas, jamais permitiram que o povo entrasse na luta por um movimento que por seus ideais, poderia permitir sua participação política, pois o próprio nome “República”, tem significado de “coisa pública”, “governo que defende os interesses do povo”... e quem era o povo no contexto? Escravos, pobres, trabalhadores, etc... e exatamente por isto,  o movimento foi  deflagrado de madrugada, longe do povo... mas com pleno conhecimento das elites progressistas...

República ... coisa pública??



Paradoxo. Única palavra capaz de definir os reais fundamentos da “República” na América Latina.

República significa coisa pública, governo em que o povo exerce a soberania, onde o interesse do povo é prioridade.

Ideologicamente, a República como forma de governo, opôs-se à Monarquia contra a qual levantaram em discursos inflamados, a necessidade de liberdade, igualdade e justiça para o povo oprimido. Porém, na prática, a República na América Latina, foi marcada por governos  autoritários, elitistas, ditadores e ainda, muito longe do que deveria representar por sua ideologia republicana. A começar pelo próprio movimento republicano, que na maioria das vezes, fora liderado por classes privilegiadas,que viam no sistema, uma chance de alcançar o poder e domínio sobre todas as outras classes.
 No Brasil, as oligarquias comandaram por muito tempo a alternância do poder, através de acordos políticos que envolviam não só interesses econômicos, mas também prestígio e poder de influência política enquanto o povo (elemento primordial da república)  permanecia alheio às decisões da “coisa pública”.

Infelizmente ainda hoje após tantos anos, ainda não podemos afirmar que vivemos uma democracia, em um governo republicano. Mesmo porque as decisões continuam sendo tomadas à revelia do povo... que decide através do voto seu representante, apostando em sua fidelidade em relação aos compromissos de campanha. 

E assim, a injustiça, a desigualdade, a corrupção ativa, os mandos e desmandos políticos, continuam descaracterizando o regime Republicano, em detrimento à essência de sua ideologia.

domingo, 2 de janeiro de 2011

Dilma lá!!


Após 121 anos de República, 

25 anos de democracia...

E o  Brasil vive mais um de seus inesquecíveis  momentos históricos no cenário político nacional e internacional...

Após uma acirrada disputa eleitoral entre partidos historicamente opositores, hoje, dia 1º de janeiro de 2011, assume o cargo mais importante dentro de um país, a ex-ministra chefe da casa civil do governo anterior, a  senhora Dilma Roussef,  a primeira presidente eleita por voto direto , com preferência de 56% do total do eleitorado brasileiro.
Confesso que me emocionei. Não somente por ser mulher,  mas muito mais por compreender o amadurecimento político de uma grande parcela da população. Porque se pensarmos o Brasil há quinze anos atrás por exemplo, seria impossível a eleição de uma mulher para presidente. Digo isto não apenas por se tratar de um país conceituadamente machista, mas por falta de amadurecimento mesmo, tanto por parte dos eleitores, quanto por parte dos partidos políticos envolvidos nas disputas. 

Dilma representa a vitória da democracia, mas sobretudo, a vitória de uma classe desfavorecida em todos os sentidos – políticos, sociais, econômicos... 

Sendo de esquerda ou não, ex-militante contra a ditadura ou não, antes de tudo, ela é mulher...e agora comanda um batalhão de homens e mulheres que serão subordinados à seu poder de decisão...por mais democrático que seja o regime...
Mas como nem tudo são flores, o que a espera é proporcional à sua vitória no que diz respeito a embates, bloqueios, oposição e até mesmo, assessoria para gerenciar este país imenso...
Ela que ande muito corretamente, pois temos um histórico político que não perdoa mulheres... Zélia Cardoso que o diga... 

A oposição será responsável (como afirmam por aí), mas será dez vezes mais atenta do que o foi com o ex-presidente Lula. Serão implacáveis e o menor deslize, será motivo de desmoralizá-la e pior, poderão contar com a já prevenção inata do brasileiro em relação à administração feminina... 

Não quero ser pessimista, longe de mim... quero que o Brasil dê certo..

Mas torço para que Dilma não tropece em algum “cisco” nesta caminhada árdua...