pausa pra reflexão...

bem vindo ao meu cantinho...

quinta-feira, 27 de outubro de 2016


OCUPA TUDO!!!!

     O último movimento estudantil de fato, que se tem notícia, foi o de 1992, com o impeachment de Fernando Collor. Depois disso, ocorreu o movimento “passe livre” que ainda não se pode  dizer que foi articulado exclusivamente por estudantes  e muito menos que foi um movimento espontâneo.

        Mas de um ano pra cá, estão ocorrendo sucessivos movimentos estudantis chamados de “ocupações”. O que são essas ocupações? É um movimento  articulado por estudantes, apoiados por instituições estudantis como UNE, UBES, AMAS, UJS. Esses manifestos de ocupação objetivam protestar contra medidas adotadas pelo Estado, em detrimento aos interesses da comunidade escolar.

      Os estudantes paulistas se reorganizaram durante a tentativa de reforma do ensino proposta pelo governo Alkimin, em setembro de 2015.  Por quarenta dias, deram seu recado ao governo e à sociedade. E este teve de voltar atrás em suas decisões e considerar os interesses da comunidade escolar.

       Atualmente, as ocupações são contra a PEC 241, a PEC da morte. A tal “redução de gastos” do governo que irá congelar investimentos nas áreas sociais, principalmente educação e saúde, por nada menos que vinte anos!

       Existem vários argumentos pró PEC e até mesmo pessoas que serão afetadas por essa medida, se manifestam favoráveis. Acham que o povo deverá pagar a conta pela má administração de governos de mais de 30...40 anos...

        O governo atual, atribui a dívida pública aos investimentos nas áreas sociais que foram feitas pelo governo do PT. Mas omite o fato de que a dívida pública sempre existiu e que pela primeira vez, coexistiu com investimentos sociais . Ou seja, a dívida não é nossa. È dos desvios de verbas, é do rombo da previdência, é dos gastos com salários exorbitantes com parlamentares viciados em corrupção...enfim...não é nossa!

Não é, porque apesar dos investimentos do governo petista nessas áreas...ainda temos um educação de má qualidade, hospitais sucateados e pouquissima infraestrutura pra um país do tamanho do nosso. 

Mas, no atual contexto, lutar contra um medida desta proporção, a qual tem apoio de um grupo enorme de conservadores elitistas que jamais pensaram na população carente, é como um anão lutar contra um gigante. 

O bom é saber que nosso anão está sendo alimentado diariamente com as ocupações de jovens de uma geração que parecia perdida. Se não vencermos o gigante por ora..pelo menos iremos crescer muito... muito...

valeu juventude politizada!!

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

A COISA FERVENDO...E O POVO??

Resultado de imagem para as classes sociais no brasil

         Ahh o povo! Esse ao mesmo tempo em que encanta, deixa qualquer gringo estupefato! Vi um vídeo norte americano em que uma moça propaga que para ser rico, é só ser político no Brasil. Ridiculariza os políticos, mas em contrapartida, muito mais ao povo. Porque tudo o que os políticos praticam, o fazem com a conivência de grande parcela da população que...trabalha, estuda, assiste bbb, e alguns até viajam de avião. É a classe baixa e a classe média... esta última, pra piorar a situação, é a mais manipulável. Acha que é rica e essa percepção enganosa da realidade,  os confere o título de “ventríloquos”.

        O povo...ahhh o povo! É uma dicotomia interessante, não de luta de classes antagônicas, mas uma dicotomia ideológica que no fundo, estratifica posições sociais  em função das expectativas de cada um. É o negro pobre que é avesso ao sistema de cotas. É o pobre mestiço que clama por ditadura militar , é professor que apoia a elitização do ensino, é pai de família que apoia o massacre de adolescentes negros nas favelas chamando de “justiça”, é classe média que contrai empréstimos em cartões de créditos para se sentir parte da classe alta... é assalariado se achando burguês e revoltados com os programas sociais que eles chamam de “esmola”, enfim...é um emaranhado ideológico que pra quem olha de fora, se não gargalhar como tem feito, sentem pena.

            Porque os de fora enxergam essa dicotomia de forma muito mais clara: de um lado os ricos, poderosos, donos do poder e do parlamento. Dão risadas e se regalam diariamente com o dinheiro público, sustentados por trabalhadores do país inteiro ou  por heranças de familiares que fizeram o mesmo.  Do outro o povo todo, classe média, baixa, comerciante, intelectual, trabalhador braçal, enfim todo mundo que depende das conjunturas políticas e econômicas para manter o mínimo de dignidade em relação a sobrevivência neste país. E estes últimos, a maioria.

            E esta maioria dorme. Come. Trabalha. Compra. Vende. Estuda. Corre daqui, corre dali dia todo. Luta pra conquistar algo. E nessa luta, se viram contra si mesmos. Os que ganham um pouco mais querem pisar na cabeça dos que ganham menos, pra se sentirem como os ricos se sentem ao pisarem na cabeça de todo mundo.


        Aí...neste espaço de tempo...os ricos e poderosos, pintam e bordam em jantares magníficos, dignos de uma corte francesa dos tempos de Antonieta... 

Um pouquinho de cada coisa...

Sobre o impeachment de Dilma:

Resultado de imagem para impeachment dilmaDesde o início deste processo sombrio, ouviu-se especialistas, juristas, políticos, intelectuais, acadêmicos, enfim, uma gama de profissionais com know-how suficiente para argumentar contra a destituição da presidente eleita democraticamente e as consequências deste ato.
Mas não foram ouvidos. Ou foram, mas igualmente ignorados.
Após o impeachment, a mídia silenciou-se. Palavras como “lavagem de dinheiro”, “corrupção ativa”, “propina”, sumiram sistematicamente dos noticiários. A não ser por notícias pontuais, parece que tudo se ajeitou. Agora, o governo não eleito democraticamente decidiu “reorganizar” o país. Segundo ele, crescimento com responsabilidade é aquele que não “desperdiça”, não “gasta mais do que recebe”. E que investimentos em setores sociais, é despesa, pois não gera impostos. Só consome recursos. Uai, será?

Resultado de imagem para pec da morte

Sobre a PEC 241 – a Pec da Morte.

E aí o governo não eleito democraticamente propõe um projeto de emenda constitucional, no qual limita e congela gastos públicos incluindo saúde e educação, por vinte anos. É que ele quer pagar a dívida pública, aquela contraída com os bancos e que eleva as taxas de juros às alturas! Pra pagar essa dívida com os bancos, o governo alega que não há superávit pois as  despesas estão ultrapassando as receitas e que o jeito é cortar a carne  - do pobre. Sim. Ele não disse pobre, mas ele disse cortar gastos com saúde e educação. Aì pergunta-se: quem utiliza saúde e educação pública? O pobre.   
Resultado de imagem para dívida pública
Sobre a dívida pública:

Então o governo não eleito, apoiado pela elite  rentista (aquela que não trabalha e ganha rios de dinheiro com capital especulativo, e exatamente com estes juros exorbitantes da dívida pública), aliados à mídia que mama nas  tetas do governo  em troca de propaganda positiva de suas ações, diz que essa dívida foi contraída para sanar os gastos com o social. Mas ele não conta que os gastos em países desenvolvidos é considerado investimento e que quando há déficit do orçamento por conta destes investimentos, O PAÍS CRESCE, A ECONOMIA SE ESTABILIZA, A MOEDA FICA FORTE  e o IDH aumenta, já que novas estradas, novas indústrias, incremento tecnológico, pesquisas, nível de educação, saúde melhor, tudo isso é fator positivo e gera desenvolvimento,  uma vez que o país  é composto por uma nação. Verdade! Uma nação!  Não apenas por corpo administrativo. Não apenas  por títulos, não apenas por moedas, não apenas...por bancos!!!! 

segunda-feira, 30 de março de 2015

POLÍTICA E SALA DE AULA: O RESGATE DO ENSINO DE POLÍTICA PARA A CONSOLIDAÇÃO DA CIDADANIA...

QUERIDOS ALUNOS DA UNIUBE. 

Foi um prazer imenso ministrar para vocês a palestra com o tema Política e Sala de Aula. 

A participação, a interação e principalmente, o interesse da turma foi essencial para o sucesso do projeto. 

Abaixo estão algumas informações úteis, para que possam dar continuidade à pesquisa para a formação da consciência política, tanto de vocês quanto de seus alunos, no caso de quem já leciona. 

Estou postando também o slide, que poderá ser consultado quando necessário.

Deixarei aqui o link de um curso muito interessante, para principiantes em Política Contemporânea. O curso é online, tem duração de 60 horas e emite diploma. 

Um abraço a todos vocês e se quiserem contactar , é só enviar mensagem.










sexta-feira, 13 de março de 2015

E VIVA A DEMOCRACIA...APESAR DOS PESARES...



Sou admiradora incondicional da Democracia. 

O que mais me encanta é a possibilidade de expressar opiniões... de se posicionar ideologicamente, sem medo de ser preso ou punido por isso. 
Gosto do embate com a oposição. Aliás, a Democracia só existe se existir oposição. 
Seja ela uma péssima ou espúria oposição, seja uma oposição séria...o que importa é o contrário. Ele é um dos princípios que regem um sistema democrático: o contrário, a oposição, sua manifestação.


Hoje milhares de pessoas se reuniram em nome da Petrobrás e da legitimidade do governo Constitucional. 

Domingo, outras pessoas se reunirão pra manifestar seu desejo de mudança...e acho válido, independente se o desejo é fruto de um trabalho muito bem orquestrado pelo quarto poder no Brasil - a mídia. 

Bom, as pessoas têm liberdade pra se informarem e alimentar suas tendências. 
Se têm se contentado com o senso comum, se acreditam realmente que é uma opção o impeachment da Presidente, se acham que Michel Temer ou Eduardo Cunha é a solução para os problemas... então que lutem por isso.


Mas o que me entristece nessa democracia não é o embate ideológico nem mesmo essa oposição espúria. É esse ódio por tudo o que representa povo. Essa raiva que parte de pessoas que desconhecem a história da evolução dos direitos. Pessoas que desprezam a participação de organizações e instituições populares na consolidação de direitos que usufruem nos dias atuais.

outro dia um indivíduo de origem humilde, que já passou por situações muito difíceis na vida, disse que quem produz são os juízes, os médicos, os engenheiros, a classe média alta que bateu panela. E que o povo come às custas dessas pessoas. Esse indivíduo coitado, já ficou atrás de um balcão por anos e hoje, com um salário um pouco melhor, conquistou uma vida melhor, que é reflexo da conjuntura do atual governo. e este indivíduo, joga fora toda a sua própria história, em nome de uma falsa sensação de pertencimento a uma elite que o despreza...o explora...e usa a favor de si.

infelizmente, existem pessoas que se simpatizam tanto com um certo modo e estilo de vida, que vendem sua dignidade em nome de um status.

Eu fico pensando em como o ser humano é individualista. Pagam suas despesas com cartões de crédito... vivem no limite do cheque especial... tudo isso pra fazer parte de uma classe que os ridiculariza. E outros, que também se consideram burgueses, mas que não passam de trabalhadores assalariados (a diferença é que recebem salários maiores por terem alguma formação, ou qualificação) se juntam ao senso comum, acreditando que estão realmente lutando por mudanças, mas não param sequer pra pensar na responsabilidade de uma manifestação pró impeachment... estão raivosos porque acreditam que seu candidato era o melhor, assim como acreditam serem os melhores e aí, não respeitam a DEMOCRACIA.

isso sim, me entristece. Porque o ideal da oposição, e isso é prerrogativa de um sistema Representativo, é lutar para que nas próximas eleições, seus projetos sejam apreciados e reconhecidos pela sociedade...e aí alcançarem a vitória nas urnas.
mas... esse povo...essa parcela da população que a gente chama de "galinha que acompanha pato"... sempre morre afogada. Afogada em dívidas...enquanto a outra classe...aquela a quem eles defendem e acreditam fazer parte... continua os ridicularizando...explorando ...rindo de sua ignorância política.
é isso...

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

DILMA, O COMUNISMO E A CLASSE ARCAICA




 Seria uma parte da classe média brasileira suficientemente culta e bem informada para opinar com perspicácia sobre política e resultados eleitorais ? A julgar por uma série de opiniões emitidas neste Facebook – local onde a eleição ainda é pauta – a resposta seria um sonoro “NÃO”. 
Quem votou em Aécio Neves (PSDB) exclusivamente porque está escandalizado com a “roubalheira na Petrobrás” e com a “corrupção”, ansiando pela alternância de poder, têm o meu respeito, se é que isso importa alguma coisa, e está excluído de minha premissa – com a devida discordância pelo caminho escolhido. Meu foco, porém, são os que, inconformados com a vitória de Dilma Roussef (PT), permanecem vociferando contra a ameaça de “cubanização”, “bolivarianismo” ou implantação do comunismo no Brasil sob o governo do PT. 
Bem, só quem tem mais de 60 anos deve ser perdoado por soltar essas sandices - assim como se é tolerante com gases involuntariamente expelidos por vovós quando tentam se levantar de suas cadeiras de balanço. Afinal de contas, esse pessoal se criou num mundo polarizado pela disputa Capitalismo (EUA)- Comunismo (União Soviética), vivendo sempre sob risco de uma guerra nuclear. O inconcebível, o inaceitável, porém, é ler a monótona repetição desse discurso alucinado por parte de quem é da minha geração (54 anos) ou, pior, está numa faixa etária muito abaixo dela.
Como sugeria o falecido Paulo Francis, os avanços tecnológicos e a disseminação da informação só influenciam 10% da Humanidade, se tanto. A maioria, porém, permanece nas cavernas em termos de civilização. Imagino que pensasse no caso brasileiro, já que é impressionante a quantidade de gente socialmente bem posicionada – com acesso livre e diário à Internet e à TV a cabo – que vive no passado. E ainda tem a capacidade de falar, congratulando-se pela sua “sabedoria”, da “ignorância” dos nordestinos que votaram em Dilma.... Ora, a configuração geopolítica do mundo mudou. No hoje distante 1989, o Muro de Berlim caiu, reunificando a Alemanha. No mesmo ano, os chamados “países satélites” da URSS (Romênia, Hungria) abandonaram o comunismo. A própria União Soviética se desintegrou em 1991. A China, ainda governada pelo Partido Comunista, virou um grande centro de investimentos internacionais. A questão "comunismo", portanto, está completamente fora de moda no mundo moderno há 25 anos. Os EUA não falam mais no assunto. A preocupação do Departamento de Estado agora é o extremismo islâmico. 

Esse é o cenário internacional hoje, que já foi amplamente divulgado até, ou, principalmente, por VEJA e pela TV Globo - as quais parecem ser as únicas fontes plenamente “confiáveis” por uma certa parte das classes média e alta brasileiras. Só que a mídia brasileira insiste em requentar esse prato mofado, servindo-o à classe média tola- que o engole como se fosse o banquete do dia.

Ah, perguntarão alguns, mas e Cuba e o porto que o governo do PT construiu lá ? Ora, como eu não me canso de escrever aqui – inutilmente, pelo jeito – esse empreendimento foi elogiado até pelo jornal O Globo, pois empregou material produzido no Brasil e será um escoadouro de nossos produtos na América Central. Quando Fidel Castro morrer, digo eu, e for iniciado algum processo de transição econômica e democrática naquele cocô boiando no meio do Caribe, o país terá uma extraordinária base para negócios lá. Até o New York Times defende o fim do bloqueio americano à Cuba – pensando, nisso, os negócios. E Portugal, vejam bem, Portugal, também trouxe médicos de Cuba há alguns anos, para realizar atendimento comunitário – sem que ninguém por lá invocasse o “perigo vermelho”. Oh, gemerão alguns, mas tem a Venezuela Chavista.

 Bem, ela é uma democracia bem mais sólida e profunda do que a brasileira, onde o voto, ao contrário do Brasil, não é obrigatório. Sendo assim, se a oposição a Chaves e a Maduro não conseguiu derrotá-los, é porque não teve competência política para agregar a sociedade venezuelana em torno de um projeto alternativo ao deles. O que muita gente parece incapaz de entender é que, na frase de Winston Churchill, um país não tem amigos, mas interesses. E os interesses econômicos do Brasil têm maior possibilidade de lucro nesses paisecos. Foi a Odebrecht que construiu o Porto de Mariel e, através de uma subsidiária, já se meteu no negócio do açúcar em Cuba.

O que o Brasil vem fazendo nos últimos anos é o maior processo de inclusão social jamais tentado em nossa História. É até constrangedor a gente ter de repetir, mas isso tudo é realizado dentro de um projeto político capitalista que não toca nem de leve no patrimônio dos endinheirados, não podendo, sequer, portanto, ser chamado de socialdemocrata europeu – e eu gostaria de ver o que vocês achariam dos impostos que se paga sobre a renda na França e na Dinamarca, caso resolvam fugir para lá. Sendo assim, o capitalismo não é nem de longe ameaçado no Brasil por uma “ditadura comunista”. E nem por um regime militar...aviso logo aos que têm uma ereção ou molham a calcinha quando veem fardas. A economia brasileira se tornou muito complexa e intrincada para ser gerida por um governo autoritário, o qual seria incapaz de administrar interesses contraditórios. Tanto que a preocupação de Dilma no momento é encontrar um Ministro da Fazenda que seja, pelo menos, tolerado por esta entidade mítica, respeitosamente chamada pela mídia de...o “mercado”.

Por fim, só haveria um coisa que me faria acreditar que o comunismo está chegando o Brasil, Nico Bueno: se os médicos brasileiros se oferecessem para tratar do Ebola na África. Aí, acho que muita gente pegaria em armas para fuzilar esses "comunistas"